Oldboy – Velho Amigo (2003)

Título Original
Oldeuboi

Género
Mistério

Realizador
Chan-wook Park

Argumentistas
Chan-wook Park, Chun-hyeong Lim e Jo-yun Hwang

Elenco
Min-sik Choi, Ji-tae Yu, Hye-jeong Kang, Dae-han Ji e Dal-su Oh


Ao fim de ser raptado e preso por quinze anos, Oh Dae-Su é libertado, apenas para descobrir que tem cinco dias para descobrir o responsável pelo que lhe aconteceu.


Oldboy é um thriller de mistério, sul-coreano, realizado por Park Chan-wook, baseado na manga japonesa com o mesmo nome, escrita por Nobuaki Minegishi e Garon Tsuchiva.

É o segundo filme naquela que foi intitulada como a Trilogia da Vingança de Chan-wook. É uma trilogia no mesmo sentido que Edgar Wright tem a sua Trilogia do Corneto, ou seja, são três filmes do mesmo realizador que devido aos temas que partilham, acabaram por ser unidos pelos críticos internacionais.
Os temas que estes três filmes partilham são a óbvia vingança, mas também violência extrema, outros temas negros e depressivos e uma espécie de salvação e redenção final.

O filme ganhou o Grand Prix no festival de Cannes em 2004 e foi aplaudido pelo presidente do Júri nesse ano, Quentin Tarantino. E sejamos honestos, para julgar um filme destes não podia haver homem mais apropriado.

Apesar da grande recepção por parte da crítica internacional, este não é de todo um filme para toda a gente. É um daqueles projectos que as pessoas ou irão adorar ou odiar, não acho que possa haver realmente meio termo quando lidamos com este tipo de temas tão negros e difíceis.

O filme segue a história de Dae-Su Oh (Min-sik Choi), que é preso numa espécie de quarto de hotel durante 15 anos, sem saber o porquê de estar ali ou quem o colocou lá.
Passados esses 15 anos é libertado, apenas para descobrir que continua a estar preso numa teia de mistério, conspiração e violência.
Nesta sua busca de vingança e justificações ele irá acabar por se apaixonar por Mi-do (Hye-jeong Kang), uma chefe de sushi jovem e atraente.

Este é um filme que só um realizador asiático é que teria realmente capacidade para criar de forma tão intensa, dura e crua.
Tivesse este filme sido produzido em Hollywood, e teríamos aqui um resultado completamente diferente, e a prova disso foi o remake vazio e desnecessário que iria ser feito 10 anos mais tarde.

Oldboy não é violento apenas pelo gosto de ser violento. A violência, o gore, o sangue e todos os momentos mais gráficos que este filme tem são necessários para a história, são elementos simbólicos que representam não só o estado psicológico do antagonista e do protagonista mas também do próprio mundo negro, mau e depressivo de que fazem parte.

O poder deste filme não está naquilo que é representado directamente no ecrã, mas no algo mais profundo que tudo isso significa.
Desde todos os temas de tragédia grega e mitologia que podemos encontrar nas personagens e nos seus comportamentos, até à sua palete de cores extremamente limitada, que se foca maioritariamente em tons negros e em vermelho e verde, Oldboy é uma autêntica obra de arte que recorre à violência para pintar esta sua visão negra da humanidade.

Mas ao mesmo tempo, subjacente a toda essa depressão, está uma certa ideia de evolução, melhoria e crescimento.

Quando conhecemos Dae-su no início do filme, ele é um autêntico lixo humano, bêbado, infiel, incapaz de aparecer no aniversário da sua filha e uma autêntica desilusão não só para todos os que fazem parte da sua vida mas também para ele próprio.
Contudo, quando ele sai daquele quarto passados 15 anos, ele evoluiu, ele é alguém diferente. Aquele quarto, onde ele esteve privado de qualquer contacto humano e rodeado apenas por morte, loucura e depressão, foi uma espécie de casulo que lhe permitiu atingir o patamar seguinte.

Ele é agora um homem motivado, duro, mais inteligente e perspicaz, mas acima de tudo, mais sensível à vida, à humanidade, ao amor e a qualquer contacto humano.
Existe uma cena neste filme em que ele se senta num restaurante, e quando lhe perguntam o que ele quer comer, ele diz que quer algo vivo. Isto dá origem a uma das cenas mais épicas e incomodativas do cinema, mas tal como tudo o resto que acontece neste filme, o seu objectivo é mais profundo que isso.
Ele esteve 15 anos rodeado de morte e isolado, tudo o que ele quer agora é vida e sentir essa vida perto de si, dentro de si. Então, ao pedir algo vivo para comer, e começar a trincar e engolir aquele polvo que luta para sobreviver, o que temos aqui é uma nova metáfora do seu estado psicológico, do que ele sente e do que ele necessita.

Como disse no início, isto não é de todo um filme para os mais sensíveis.
É um filme extremamente violento, que nunca recua perante temas e momentos difíceis, e conta a sua história de forma calma e metódica ao longo de cerca de  duas horas de duração.
E o seu final, apesar de improvável, é credível e honesto. É um final difícil de aceitar e que irá continuar a incomodar o espectador bem depois do filme terminar, mas é novamente algo simbólico, com grande pathos e kátharsis.

Estamos tão acostumados a ver filmes onde a acção, sangue e explosões são apenas ferramentas para entreter que é chocante e diferente ver um projecto onde tudo isso vem carregado de simbolismo e significado, que ajuda a história a seguir em frente em vez de a obrigar a parar.


Veredicto Final: 8/10

Um filme extremamente violento, negro e depressivo onde a luz luta para entrar e trazer alguma esperança e felicidade às personagens.
Chan-wook revela aqui grande coragem na forma como nunca recua perante temas difíceis, e cria um filme onde toda a violência tem um propósito e um significado.
Min-sik Choi tem uma prestação incrível, tocante e dolorosa.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s