Crítica – The Meyerowitz Stories (New And Selected) (2017)

Título Original
The Meyerowitz Stories (New And Selected)

Género
Comédia, Drama

Realizador/Argumentista
Noah Baumbach

Elenco
Adam Sandler, Dustin Hoffman, Ben Stiller, Emma Thompson e Elizabeth Marvel


Três meios irmãos, e a sua problemática família, encontram-se em Nova Iorque para um evento que celebra a carreira artística do seu pai.


Sandler, por favor, mostra este teu lado mais vezes.

The Meyerowitz Stories (New And Selected) e Okjaforam os dois filmes da Netflix que estrearam em competição no festival de Cannes deste ano.
Dois filmes extremamente diferentes em tema, tom e objectivo, mas igualmente magníficos.

Esta é a terceira colaboração entre Ben Stiller e Baumbach, e sem dúvida o seu melhor projecto.
A Stiller juntam-se Hoffman, Thompson e Sandler, este último a fornecer uma das melhores prestações da sua carreira.

Mas uma nota importante para evitar enganos:
ISTO NÃO É UMA COMÉDIA TÍPICA DE ADAM SANDLER.
ISTO É CINEMA, ISTO É ARTE.

O tema principal deste filme é família, particularmente a relação entre um pai e um filho e de que forma é que isso nos afecta ou influencia ao longo da nossa vida.
Mas ao contrário da saga Velocidade Furiosa, esta palavra aqui tem realmente significado, e não é um cliché ou slogan atirado ao ar de forma vazia e irrelevante.

Harold (Dustin Hoffman) é um escultor.
Homem culto, peculiar, egocêntrico e que nunca chegou a atingir a fama ou a relevância que acha que merece. Mas, o maior falhanço da sua vida foi enquanto pai.

Danny (Sandler), Mathew (Stiller) e Jean (Marvel) são os seus três filhos, com Danny e Jean a terem uma mãe diferente de Mathew.
Harold deixou a mãe deles para casar com Julia (Candice Bergen), com quem teve Mathew, e no processo “divorciou-se” também de Danny e Jean, ignorou-os e desprezou-os, por mais que estes se esforçassem para o deixar orgulhoso ou seguirem o caminho que achavam que ele queria.

Mathew por sua vez recebeu a atenção do seu pai, ainda que não necessariamente o amor de forma realmente expressiva, mas isso afectou-o de forma diferente, criou uma fractura na relação entre ele e os seus irmãos e no final, com o seu próprio pai, levando-o a ir construir a sua vida para um local mais afastado, onde podia ser o seu próprio homem sem ter de lidar com os stresses e problemas que o seu pai cria constantemente.

A história tem obviamente mais desenvolvimento e profundidade, mas sinto que esta sinopse é suficiente para compreenderem um pouco o tipo de narrativa que o filme tem, e se é algo que vos interessa ou não.

The Meyerowitz Stories (New And Selected) é também sobre o mundo da arte, e isso é apropriado, porque é um filme extremamente artístico.
Noah Baumbach joga directamente para o seu público e volta a demonstrar uma vez mais que é um verdadeiro auteur, que sabe criar dramas cómicos e manobrá-los com um talento muito seu, saltitando frequentemente nos dois géneros sem nunca perder a identidade do projecto ou a mensagem que quer transmitir.

Ainda assim, o filme é extremamente cómico. Enquanto que os seus dois projectos anteriores são dramas cómicos, este é essencialmente uma comédia dramática.
A história em si não será o que vai prender o público, mas sim as personagens.

O argumento é rico não só em diálogo, mas em desenvolvimento.
Nenhuma personagem é esquecida, e mesmo que umas tenham obviamente menos tempo de ecrã, todos os intervenientes têm a sua hipótese de brilhar.

O trabalho dos actores é todo muito louvável, interpretam personagens muito problemáticas, com imensos conflitos interiores e almas torturadas. E conseguem fazê-lo de uma forma que cria empatia, simpatia e pena, mas que ao mesmo tempo nos mantém sempre com um sorriso na cara com tudo o que dizem e fazem.

Mas, o destaque para mim, tem de ir para Sandler.
Ele é a minha personagem preferida neste filme, e a forma como a interpreta é tão submessiva e encantadora que dá realmente vontade de o abraçar.
Danny compete com Jean para personagem mais traumatizada, mas Sandler tem mais tempo de ecrã que Marvel,  e nesse aspecto consegue estabelecer uma ligação mais forte com a audiência e fornecer muitos mais momentos memoráveis.

É uma comédia dramática, e isso é  representado em todas as personagens e nos seus comportamentos, mas talvez a de Sandler o faça de forma mais óbvia.
Conseguindo arrancar gargalhadas com as suas explosões repentinas, e emocionar quando fala sobre o desprezo que sente de toda a sua família, e quando demonstra que tudo o que quer é ser amado e não estar tão sozinho.

A nível de realização Baumbach volta a revelar-se à altura, e cria aqui um projecto extremamente bem realizado e filmado.
Não é um filme que grite pela sua cinematografia ou filmagens trabalhosas, até é bem simples, mas é isso que o torna tão charmoso, a simplicidade e naturalidade com que consegue criar algo tão bom.

Mise-en-scène é um termo utilizado para descrever as curtas metragens que a filha de Danny realiza, e uma vez mais, apropriado para este filme em particular.
É um termo que os críticos chamam de indefinível, porque pode descrever tudo o que aparece em frente à câmara ou algo mais particular dependendo da forma como se usa. Para mim, utilizo-o para me referir à produção do filme e ao seu design, aqueles aspectos mais práticos e que tantas vezes são ignorados.
Este filme traduz-se em muitos momentos como uma peça de teatro, e assim sendo o vestuário, o ambiente e o próprio cenário conseguem sempre contribuir para as cenas que se estão a desenrolar.

The Meyerowitz Stories (New And Selected) é um filme em que Baumbach faz algo raro hoje em dia: confia na inteligência da audiência.
A mensagem é realmente repetida ao longo do filme, mas nunca de forma exagerada, o realizador edita o filme de forma muito inteligente, especialmente com os seus capítulos e saltos temporais.
E o final, que nem parece ser final, acaba por ser a forma perfeita de encerrar o filme, porque a vida continua, não pára ali.
Sentimos que passámos uma etapa da sua vida, e vimos quem é capaz de crescer e quem se mantém arrogantemente no mesmo lugar, coisa poderosa.


Veredicto Final
9/10

Uma comédia dramática com boa realização e uma escrita maravilhosa, que desenvolve e dá conteúdo a todas as suas personagens.
Preenchido de grandes prestações, especial e surpreendentemente a de Sandler, The Meyerowitz Stories (New And Selected) é mais uma vitória para a Netflix.

Anúncios

One thought on “Crítica – The Meyerowitz Stories (New And Selected) (2017)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s