Crítica – O Protegido (2000)

Título Original
Unbreakable

Duração
106 minutos

Género
Drama, Mistério

Realizador/Argumentista
M. Night Shyamalan

Elenco
Bruce Willis, Samuel L. Jackson, Robin Wright, Spencer Treat Clark e Charlayne Woodard

Sinopse
Ao fim de um horrível acidente, um homem descobre a verdade extraordinária sobre quem é do seu verdadeiro potencial.


Passados 18 anos, Unbreakable continua a ser o melhor filme de origem para um super-herói, e o facto de o conseguir fazer com material original e sem se basear em qualquer banda desenhada, torna-se ainda mais espantoso.

Shyamalan construiu aqui um argumento tão humano e realista que demora um pouco até compreendermos o que estamos a ver, com personagens bem desenvolvidas, com conflitos e defeitos humanos.

Numa altura em que sabemos que Unbreakable é apenas o primeiro capítulo de uma trilogia (sendo o segundo Split) que irá culminar em 2019 com Glass, pareceu-me apropriado criticar o filme com que tudo começou.

Não quero entrar em mais detalhes do que aquilo que é necessário, porque um dos prazeres nos filmes de Shyamalan é sempre o característico twist que nos espera no final.

Contudo, o twist de Unbreakable tem algo de característico e peculiar: a verdade esteve sempre à vista do espectador e das personagens, desde o começo, de uma forma muito distinta dos restantes.
É fácil dizer isto ao fim de ver o filme e saber o que é, mas garanto que não é de todo impossível adivinhá-lo, começa a ser compreensível e inevitável a direcção para onde estamos a caminhar a pouco e pouco, especialmente para quem conhecer a lógica da BD.

É irónico que um filme que homenageia tanto o género da BD, e que o usa tanto como rampa de lançamento para a história que apresenta, com tantos detalhes atenciosos, seja ao mesmo tempo algo muito anti-comic book movie, com um nível de profundidade, emoção e realismo que raramente são capturados nesse subgénero do cinema.

Shyamalan é um argumentista e realizador com algum talento, nunca fui tão fã do seu trabalho como outras pessoas o são, mas reconheço o mérito e aqueles filmes que são realmente magníficos.

É um realizador que só funciona bem com orçamentos mais baixos, a partir do momento em que tem mais dinheiro do que precisa, a história e as personagens começam a ser esquecidas, e o seu ego incontrolável prejudica inevitavelmente o produto final. Felizmente, Unbreakable é um filme contido, que sabe perfeitamente que por vezes menos é mais, e aquilo que é aqui construído é um slow burner, cativante e interessante, mas que nunca se apressa a contar a sua história.

Dou também relevância para a atenção que é dada à cor, um filme escuro, tal como a história que conta, onde as cores predominantes são o verde e o roxo, com cada uma delas a representar as personagens principais.
E logo no detalhe da cor, a forma como desenvolvem os fatos dessas duas personagens, conferindo-lhes o seu traje característico, tem tanto de simples como de inteligente.

Para as audiências de hoje, habituadas a filmes de heróis carregados de acção e explosões, isto poderá tornar-se aborrecido, mas para quem estiver disposto a ver o filme na sua totalidade, vai respeitar aquilo que aqui foi feito.

Aquilo a que dou mais valor no filme, é a forma como as personagens são focadas e desenvolvidas, sem deixar ninguém para trás.

David Dunn (Bruce Willis) e Elijah Prince (Samuel L. Jackson) são as personagens principais, mas não é por isso que Shyamalan esqueceu as restantes.

A mãe de Elijah só aparece em cerca de três cenas diferentes, e mesmo assim, o diálogo que foi escrito para ela, e a forma como tudo se desenrola, deixa bem claro o tipo de mulher e mãe que ela é. Até mesmo Audrey Dunn, a esposa do protagonista que é tantas vezes esquecida, tem aqui um desenvolvimento muito atencioso. Que tem em consideração não só a forma como ela se sente com o que aconteceu e com a vida em geral, mas também o estado da sua relação amorosa e de como as coisas foram caminhando nessa direcção.

Jackson interpreta aqui uma personagem difícil, alguém extremamente inteligente e culto, mas com um ódio muito forte dentro de si, um ódio que ele consegue esconder muito bem na maior parte das vezes. É uma personagem com quem queremos criar empatia, mesmo quando ele torna isso difícil ou impossível, e Jackson nunca recua perante a dificuldade daquilo que quer dizer e transmitir.

Willis, frequentemente colocado em filmes de acção e explosões, tem aqui uma prestação muito mais contida, silenciosa e subtil, e fá-lo com grande talento.
É um actor de que gosto muito, mas que infelizmente nos últimos anos começou a desistir e a fazer tudo apenas por um cheque…
É bom ver filmes destes, de uma altura em que ele ainda actuava e se preocupava.

Agora que sabemos que este é o primeiro capítulo de uma trilogia, fico maravilhado com a construção narrativa que Shyamalan aqui desenvolveu.
Unbreakable conta a origem de um herói, Split conta a origem de um vilão, e por fim, Glass contará o confronto entre eles.

Isto é uma fórmula que nunca ninguém experimentou, mas para mim é a mais lógica e inteligente, uma que permite que tanto o herói como o vilão sejam desenvolvidos da forma correcta, antes de se encontrarem para o confronto final.

É também algo que torna mudo o meu único problema com o filme, que era o facto de o final parecer um pouco preguiçoso e anti-climático.
Continuo a pensar que haveria outra forma de encerrar aquilo que é um filme tão bom, mas, vendo agora o seu plano criativo, consigo compreender a magnitude do projecto que ele tinha em mente.

VEREDICTO FINAL
✭✭✭✭✭✭✭✭✭
(9/10 )

Unbreakable é um dos melhores filmes de Shyamalan, e apesar de poder ser uma opinião pouco popular, é mesmo o meu preferido da sua carreira.

Homenageia os comic books em que se inspira ao mesmo tempo que se distancia dos comic book movies, e se eleva para um nível de profundidade e emocionalidade muito superior.

Willis e Jackson têm duas prestações tocantes, num filme que não se esquece de nenhuma das suas personagens.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s